ENRIC FUCHO ABOGADO ESPECIALISTA SEGURIDAD PRIVADA
Enric Fucho y asociados. Gabinete jurídico y de investigación

Seguridad y protección Nuestros expertos, con más de 20 años de experiencia en el sector de la seguridad, le asesorarán sobre todas aquellas cuestiones relacionadas tanto con la seguridad de su empresa como con su seguridad personal. MAS DE 14 AÑOS DEFENDIENDO EN LOS TRIBUNALES A LOS VIGILANTES DE SEGURIDAD CON PLENO DE VICTORIAS EN LOS JUICIOS

SIGUENOS EN LAS REDES SOCIALES

siguenos en Google+Canal de youtubesiguenos en Twittersiguenos en facebookSígueme en Likedin
Podeis adquirir el libro clicando en el mismo a traves de Amazon

Podeis adquirir el libro clicando en el mismo a traves de Amazon
Últimos temas
» Hoy es un gran día (JO..seeeeeeeeee....PPPPPPPPPPPPPPPP)
Hoy a las 09:20 por josepmarti

» Encuesta sobre servicio de colaboráción con la Policía Nacional
Ayer a las 08:26 por gatipedro

» Flipando con el acuerdo vacacional para 2018 de SECURITAS MADRID
Jue 17 Ago 2017, 21:19 por Valkyria

» La presencia de la Guardia Civil reduce las colas en El Prat a pesar de la huelga indefinida
Jue 17 Ago 2017, 20:23 por Valkyria

» La plantilla de Eulen aplaza la huelga en el Prat, a causa del atentado de Barcelona
Jue 17 Ago 2017, 20:10 por Valkyria

» Lloret reclama los contratos de todos los vigilantes de bares y discotecas
Jue 17 Ago 2017, 20:03 por Valkyria

» Atentado en Barcelona: Una furgoneta arrolla a varias personas en la Rambla y provoca decenas de heridos
Jue 17 Ago 2017, 19:49 por Valkyria

» Unos 40 vigilantes de Eulen en El Prat están de baja laboral
Jue 17 Ago 2017, 18:24 por Valkyria

» La plantilla del servicio de seguridad del aeropuerto mantiene la huelga indefinida
Jue 17 Ago 2017, 18:05 por Valkyria

» Los sindicatos preparan ya un «otoño caliente»
Jue 17 Ago 2017, 17:52 por Valkyria

» Trabajadora de Eulen: "La Guardia Civil tiene las órdenes de presionar a los compañeros"
Jue 17 Ago 2017, 17:22 por Valkyria

» Los agentes de Seguridad de FIMO y Portanova se quedarán sin subrogación
Jue 17 Ago 2017, 17:07 por Valkyria

» Un vigilante de seguridad retiene a un maltratador en un hotel de Portals
Jue 17 Ago 2017, 16:57 por Valkyria

» Los policías locales critican la contratación de vigilantes privados contra los manteros en El Vendrell
Jue 17 Ago 2017, 16:24 por Valkyria

» UGT paraliza "de momento" la huelga en los aeropuertos de Alicante y València
Jue 17 Ago 2017, 16:16 por mystshaka

» SEGURIDAD INTEGRAL CANARIA: queremos cobrar
Jue 17 Ago 2017, 15:44 por Valkyria

» Suspendida la huelga de los vigilantes de seguridad de Alvedro
Jue 17 Ago 2017, 15:32 por Valkyria

» Los vigilantes de seguridad deben aprender a defenderse y a trabajar en equipo. La escasa unidad es el problema fundamental del sector
Jue 17 Ago 2017, 15:26 por Valkyria

» Personal de prisiones (Acaip) pide retirar la seguridad privada de las prisiones
Jue 17 Ago 2017, 12:36 por Temis

» Se necesita vs para la zona de castellon
Jue 17 Ago 2017, 06:32 por josepmarti

CORREO DE CONTACTO CON EL FORO


Podéis contactar con la administracion y moderación del foro a través de este correo.

forodevigilantes2017@gmail.com

Buscar
 
 

Resultados por:
 

 


Rechercher Búsqueda avanzada

DENUNCIAS ANONIMAS INTRUSISMO CON MAREA NEGRA

DENUNCIA CONTRA EL INTRUSIMO ANONIMAMENTE, CLICA AQUI

Código de Trabajo

Ver el tema anterior Ver el tema siguiente Ir abajo

Código de Trabajo

Mensaje por josepmarti el Lun 22 Feb 2016, 12:55

Código de Trabalho

[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]

Artigo 203.º




Limites máximos do período normal de trabalho




1 – O período normal de trabalho não pode exceder oito horas por dia e quarenta horas por semana.




2 – O período normal de trabalho diário de trabalhador que preste trabalho exclusivamente em dias de descanso semanal da generalidade dos trabalhadores da empresa ou estabelecimento pode ser aumentado até quatro horas diárias, sem prejuízo do disposto em instrumento de regulamentação colectiva de trabalho.




3 – Há tolerância de quinze minutos para transacções, operações ou outras tarefas começadas e não acabadas na hora estabelecida para o termo do período normal de trabalho diário, tendo tal tolerância carácter excepcional e devendo o acréscimo de trabalho ser pago ao perfazer quatro horas ou no termo do ano civil.




4 – Os limites máximos do período normal de trabalho podem ser reduzidos por instrumento de regulamentação colectiva de trabalho, não podendo daí resultar diminuição da retribuição dos trabalhadores.




5 – Constitui contra-ordenação grave a violação do disposto neste artigo.










Artigo 209.º




Horário concentrado




1 – O período normal de trabalho diário pode ter aumento até quatro horas diárias:




a) Por acordo entre empregador e trabalhador ou por instrumento de regulamentação colectiva, para concentrar o período normal de trabalho semanal no máximo de quatro dias de trabalho;

b) Por instrumento de regulamentação colectiva para estabelecer um horário de trabalho que contenha, no máximo, três dias de trabalho consecutivos, seguidos no mínimo de dois dias de descanso, devendo a duração do período normal de trabalho semanal ser respeitado, em média, num período de referência de 45 dias.




2 – Aos trabalhadores abrangidos por regime de horário de trabalho concentrado não pode ser simultaneamente aplicável o regime de adaptabilidade.




3 – O instrumento de regulamentação colectiva de trabalho que institua o horário concentrado regula a retribuição e outras condições da sua aplicação.










Artigo 211.º




Limite máximo da duração média do trabalho semanal







1 – Sem prejuízo do disposto nos artigos 203.º a 210.º, a duração média do trabalho semanal, incluindo trabalho suplementar, não pode ser superior a quarenta e oito horas, num período de referência estabelecido em instrumento de regulamentação colectiva de trabalho que não ultrapasse 12 meses ou, na falta deste, num período de referência de quatro meses, ou de seis meses nos casos previstos no n.º 2 do artigo 207.º




2 – No cálculo da média referida no número anterior, os dias de férias são subtraídos ao período de referência em que são gozados.




3 – Os dias de ausência por doença, bem como os dias de licença parental, inicial ou complementar, e de licença para assistência a filho com deficiência ou doença crónica são considerados com base no correspondente período normal de trabalho.




4 – O disposto nos números anteriores não se aplica a trabalhador que ocupe cargo de administração ou de direcção ou com poder de decisão autónomo, que esteja isento de horário de trabalho, ao abrigo das alíneas a) ou b) do n.º 1 do artigo 219.º













SUBSECÇÃO V




Trabalho por turnos




Artigo 220.º




Noção de trabalho por turnos







Considera-se trabalho por turnos qualquer organização do trabalho em equipa em que os trabalhadores ocupam sucessivamente os mesmos postos de trabalho, a um determinado ritmo, incluindo o rotativo, contínuo ou descontínuo, podendo executar o trabalho a horas diferentes num dado período de dias ou semanas.







Artigo 221.º




Organização de turnos







1 – Devem ser organizados turnos de pessoal diferente sempre que o período de funcionamento ultrapasse os limites máximos do período normal de trabalho.




2 – Os turnos devem, na medida do possível, ser organizados de acordo com os interesses e as preferências manifestados pelos trabalhadores.




3 – A duração de trabalho de cada turno não pode ultrapassar os limites máximos dos períodos normais de trabalho.




4 – O trabalhador só pode mudar de turno após o dia de descanso semanal.




5 – Os turnos no regime de laboração contínua e os de trabalhadores que asseguram serviços que não podem ser interrompidos, nomeadamente nas situações a que se referem as alíneas d) e e) do n.º 2 do artigo 207.º, devem ser organizados de modo que os trabalhadores de cada turno gozem, pelo menos, um dia de descanso em cada período de sete dias, sem prejuízo do período excedente de descanso a que tenham direito.




6 – O empregador deve ter registo separado dos trabalhadores incluídos em cada turno.




7 – Constitui contra-ordenação grave a violação do disposto nos nºs 3, 4, 5 ou 6.













Artigo 222.º




Protecção em matéria de segurança e saúde no trabalho




1 – O empregador deve organizar as actividades de segurança e saúde no trabalho de forma que os trabalhadores por turnos beneficiem de um nível de protecção em matéria de segurança e saúde adequado à natureza do trabalho que exercem.




2 – O empregador deve assegurar que os meios de protecção e prevenção em matéria de segurança e saúde dos trabalhadores por turnos sejam equivalentes aos aplicáveis aos restantes trabalhadores e se encontrem disponíveis a qualquer momento.




3 – Constitui contra-ordenação grave a violação do disposto neste artigo.













Artigo 224.º




Duração do trabalho de trabalhador nocturno







1 – Considera-se trabalhador nocturno o que presta, pelo menos, três horas de trabalho normal nocturno em cada dia ou que efectua durante o período nocturno parte do seu tempo de trabalho anual correspondente a três horas por dia, ou outra definida por instrumento de regulamentação colectiva de trabalho.




2 – O período normal de trabalho diário de trabalhador nocturno, quando vigora regime de adaptabilidade, não deve ser superior a oito horas diárias, em média semanal, sem prejuízo do disposto em instrumento de regulamentação colectiva de trabalho.




3 – Para apuramento da média referida no número anterior não se contam os dias de descanso semanal obrigatório ou complementar e os dias feriados.




4 – O trabalhador nocturno não deve prestar mais de oito horas de trabalho num período de vinte e quatro horas em que efectua trabalho nocturno, em qualquer das seguintes actividades, que implicam riscos especiais ou tensão física ou mental significativa.













Artigo 225.º




Protecção de trabalhador nocturno




1 – O empregador deve assegurar exames de saúde gratuitos e sigilosos ao trabalhador nocturno destinados a avaliar o seu estado de saúde, antes da sua colocação e posteriormente a intervalos regulares e no mínimo anualmente.




2 – O empregador deve avaliar os riscos inerentes à actividade do trabalhador, tendo presente, nomeadamente, a sua condição física e psíquica, antes do início da actividade e posteriormente, de seis em seis meses, bem como antes de alteração das condições de trabalho.




3 – O empregador deve conservar o registo da avaliação efectuada de acordo com o número anterior.




4 – Aplica-se ao trabalhador nocturno o disposto no artigo 222.º




5 – Sempre que possível, o empregador deve assegurar a trabalhador que sofra de problema de saúde relacionado com a prestação de trabalho nocturno a afectação a trabalho diurno que esteja apto a desempenhar.




6 – O empregador deve consultar os representantes dos trabalhadores para a segurança e saúde no trabalho ou, na falta destes, o próprio trabalhador, sobre a afectação a trabalho nocturno, a organização deste que melhor se adapte ao trabalhador, bem como sobre as medidas de segurança e saúde a adoptar.




7 – Constitui contra-ordenação grave a violação do disposto neste artigo.




Nota: Nenhuma empresa quer cumprir isso, se o vigilante apresentar desgaste físico ou psicológico devido aos turnos, é imediatamente despedido.
















Artigo 229.º




Descanso compensatório de trabalho suplementar




1 – O trabalhador que presta trabalho suplementar em dia útil, em dia de descanso semanal complementar ou em feriado tem direito a descanso compensatório remunerado, correspondente a 25 % das horas de trabalho suplementar realizadas, sem prejuízo do disposto no n.º 3.




2 – O descanso compensatório a que se refere o número anterior vence-se quando perfaça um número de horas igual ao período normal de trabalho diário e deve ser gozado nos 90 dias seguintes.




3 – O trabalhador que presta trabalho suplementar impeditivo do gozo do descanso diário tem direito a descanso compensatório remunerado equivalente às horas de descanso em falta, a gozar num dos três dias úteis seguintes. (nenhuma empresa cumpre isso)




4 – O trabalhador que presta trabalho em dia de descanso semanal obrigatório tem direito a um dia de descanso compensatório remunerado, a gozar num dos três dias úteis seguintes.




5 – O descanso compensatório é marcado por acordo entre trabalhador e empregador ou, na sua falta, pelo empregador.




6 – O disposto nos nºs 1 e 2 pode ser afastado por instrumento de regulamentação colectiva de trabalho que estabeleça a compensação de trabalho suplementar mediante redução equivalente do tempo de trabalho, pagamento em dinheiro ou ambas as modalidades.





7 – Constitui contra-ordenação muito grave a violação do disposto nos nºs 1, 3 ou 4.


Descargar documento completo aqui:


[Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


[Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


[Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]
avatar
josepmarti
Administrador-Fundador

Mensajes : 11426
Fecha de inscripción : 08/01/2014
Localización : Tarragona

https://www.forodevigilantes.com

Volver arriba Ir abajo

Ver el tema anterior Ver el tema siguiente Volver arriba


 
Permisos de este foro:
No puedes responder a temas en este foro.